terça-feira, 10 de julho de 2012

Dilma vai fechar o SPC e SERASA para o brasileiro não ficar mais com o nome sujo

Governo quer combater a pobreza e impedir que os brasileiros continuem com o nome sujo por causa de dívidas
País rico é país sem pobreza, e brasileiro com nome sujo no SERASA não condiz com slogan do governo Dilma. Por tal razão, a Presidente Dilma Rousseff decidiu mandar fechar os órgãos de proteção ao crédito, SERASA, SPC e câmaras de dirigentes lojistas, que inclui CPFs de devedores na lista de proteção ao crédito.


"No meu governo o brasileiro não poderá mais ficar com o nome sujo", disse Dilma Rousseff durante o anúncio da exclusão do SERASA. Mas o decreto precisa ainda passar pela Câmara e Senado Federal.


O Governo acredita que extinguindo o SERASA, o Brasil será de fato um país rico, pois nenhum brasileiro ficará com o nome sujo por causa de dívida.

Fonte: G17



Itaú Unibanco e BMG afirmam que parceria foi fechada em cinco dias

O presidente do Itaú Unibanco, Roberto Setubal, e o presidente do BMG, Ricardo Guimarães (Foto: Darlan Alvarenga/G1)
O presidente do Itaú Unibanco, Roberto Setubal, e o presidente do BMG, Ricardo Guimarães, afirmaram que a associação entre os bancos, anunciada nesta terça-feira (10), para oferta, distribuição e comercialização de crédito consignado, foi fechada na noite de segunda-feira, após “poucos dias” de negociação.
“Foram de quatro a cinco dias [de negociação]”, disse Setubal, em entrevista realizada nesta terça-feira, na sede do Itaú Unibanco. “A operação de ser decidida num tempo talvez recorde pela forma simplificada de se criar uma joint-venture (parceria)”, acrescentou.
Nas últimas semanas, Bradesco e BTG vinham sendo apontados como possíveis compradores ou participantes de uma associação com o BMG. O Itaú Unibanco não fora citado como potencial parceiro.
Guimarães admitiu que o BMG recebeu outras propostas, mas preferiu comentar apenas a opção escolhida pelo grupo, que segundo o executivo permitirá que o banco continue “operando de maneira agressiva” no mercado de crédito consignado.
O presidente do BMG disse também que pesou na decisão a proposta do Itaú de associação, em vez de uma compra. “Não que a gente teria de vender. Mas foi uma hipótese que a gente avaliou também e preferimos optar pela não venda”, disse o executivo.

Fonte: G1

Saúde potiguar pode ganhar mais R$ 39 milhões por ano


Os auditores fiscais do Rio Grande do Norte se reuniram com o secretário-chefe do Gabinete Civil, Anselmo Carvalho e o secretário da Administração, Albert Nóbrega, para tratar sobre alguns pleitos do fisco estadual. Entre as reivindicações está a instituição do teto salarial único para servidores do Estado, medida que proporciona uma economia de R$ 39 milhões por ano na folha de pagamento do Governo do Estado.
Em outras palavras: o teto põe fim ao pagamento de vencimentos acima do subsídio do desembargador do Tribunal de Justiça, o que gera, segundo os secretários do Governo, uma economia de R$ 3 milhões por mês. Além de moralizar os gastos com pessoal, o teto representa mais transparência e eficiência nos gastos públicos.

Morre o cardeal Dom Eugênio Sales

Dom Eugênio participa de missa no Vaticano em 2005. (Foto: Arquivo/AP)



O cardeal Dom Eugênio de Araújo Sales, arcebispo emérito do Rio, morreu às 22h30 desta segunda-feira (9), aos 91 anos, após sofrer um infarto em casa.
Segundo a Arquidiocese do Rio de Janeiro, velório e enterro serão na catedral da cidade: o velório nesta terça de manhã, e o enterro, na quarta, às 15h.
Nascido em Acari (RN), em 11 de novembro de 1920, Dom Eugênio Sales foi ordenado bispo aos 33 anos, em Natal (RN), com apenas 11 de sacerdócio. Em 1968, tornou-se arcebispo de Salvador e, em 1971, arcebispo do Rio.
Ficou à frente da arquidiocese carioca até 2001, onde se tornou referência na defesa de perseguidos políticos. Em 2008, soube-se que ele abrigou mais de 4.000 pessoas perseguidas pelos regimes militares do Cone Sul entre 1976 e 1982 .
Ele foi um dos prelados brasileiros que mais cargos ocuparam no Vaticano. Em nota, a arquidiocese lamentou a morte e registrou: "Dom Eugenio de Araujo Sales, o mais antigo Cardeal da Igreja Católica, era Cardeal Presbítero da Santa Igreja Romana, do Título de São Gregório VII. Seu lema, fundamentado na Carta de São Paulo aos Coríntios, foi: 'Impendam et Superimpendar' (2Cor 12,15: 'De muito boa vontade darei o que é meu, e me darei a mim mesmo pelas vossas almas, ainda que, amando-vos mais, seja menos amado por vós')".
O governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, decretou luto de três dias. Ele e o prefeito da cidade, Eduardo Paes, divulgaram notas em que lamentam a morte do religioso.
O atual arcebispo do Rio, Dom Orani João Tempesta, afirmou ao Jornal da Globo (veja vídeo acima) que "Dom Eugênio Sales foi um homem que seguiu Jesus Cristo, que soube estar presente nos momentos do Brasil, na questão dos refugiados, dos perseguidos. Ao mesmo tempo, teve sua presença junto ao Vaticano. Ele deixa marcada sua vida pela sua presença significativa na Igreja e no Brasil. Lembramos de sua atuação na Favela do Vidigal, ajudando os mais necessitados. Foi alguém que nunca deixou a fidelidade ao seu amor à Igreja e ao Santo Padre”.


Publicada lei que reforça combate à lavagem de dinheiro


A lei que reforça o combate ao crime de lavagem de dinheiro foi publicada na edição desta terça-feira (10) do Diário Oficial da União. A lavagem de dinheiro é o artifício que consiste em tentar esconder a origem de bens ou quantias obtidos de forma ilegal. O jogo do bicho e a exploração de máquinas caça níqueis, por exemplo, estão enquadrados na nova lei.
Apresentado em 2003 no Senado, o projeto foi aprovado com alterações na Câmara em outubro do ano passado e analisado novamente pelos senadores no mês passado.

Uma das principais inovações é a previsão de que recursos obtidos por meio de qualquer infração penal e ocultados serão considerados ilegais. Hoje, somente é considerada lavagem de dinheiro a ocultação de dinheiro oriundo de oito tipos de crimes (tráfico de entorpecentes, contrabrando de armas, terrorismo, extorsão mediante sequestro, praticados por organização criminosa, contra a administração pública nacional ou estrangeira, e contra o sistema financeiro).

A lavagem ocorre, por exemplo, quando um traficante de drogas faz transações bancárias ou operações de compra e venda de bens com o dinheiro obtido da venda de entorpecentes tentando passar a impressão de que o recurso teve origem legal. Agora, qualquer pessoa que se utilize desses meios para esconder dinheiro obtido ilegalmente pode ser punida também por lavagem, além do crime pelo qual obteve o recurso.
Fonte:g1