quarta-feira, 18 de julho de 2012

Espanhóis produzem açúcar gasoso em laboratório


Os familiarizados com a culinária podem já ter visto açúcar mascavo, açúcar caramelizado e açúcar cristalizado.
Mas açúcar gaseificado é uma novidade --a proeza digna de um legítimo "Cocinero" espanhol.
Emilio José Cocinero, químico da Universidade do País Basco, na Espanha, conseguiu vaporizar a substância conhecida como ribose, açúcar que compõe uma série de moléculas essenciais à vida, como o DNA e o RNA.
DO VAPOR AO VÁCUO
Seu objetivo estava longe das panelas, contudo. O esforço era caracterizar em detalhes a estrutura molecular, só possível com a análise do composto em estado gasoso.
Não foi uma tarefa fácil. "Somente se você evita os processos de decomposição e desidratação e consegue isolar o açúcar, eliminando as mudanças provocadas por moléculas vizinhas, você pode caracterizar sua estrutura", diz Cocinero.
Com a descoberta, passa a ser possível buscar sinais de ribose no espaço. A ideia é tentar compreender se esses compostos são comuns em outras partes do Universo --um passo importante para identificar o potencial para vida alienígena baseada em RNA ou DNA no Cosmo.
O estudo de Cocinero figurou na capa da revista científica internacional de química "Angewandte Chemie International Edition".
METEORO, DOCE LAR
Açúcares já foram detectados em nuvens interestelares e em meteoritos antes, mas apenas suas formas mais simples, com dois ou três átomos de carbono. Interessante, mas ainda longe da complexidade exigida para o desenvolvimento da vida.
A descoberta de moléculas de açúcar em nuvens cósmicas a partir do qual novas estrelas se formam significa que é bem provável que os precursores químicos para a existência da vida tenham se formados em tais nuvens muito antes do surgimento dos planetas em torno das estrelas.

Fonte: Uol

Nenhum comentário:

Postar um comentário