terça-feira, 9 de agosto de 2011

RN LIDERA PROJETOS MAIS UMA VEZ

Para viabilizar projetos já aprovados, o Estado terá de investir em infraestrutura, aprimorar a logística e agilizar licenças ambientais
Pela terceira vez consecutiva, o Rio Grande do Norte é líder em número de projetos eólicos habilitados a participar dos leilões de energia agendados para 17 e 18 de agosto. Dos 240 projetos de parques eólicos habilitados em todo o país, 75 (31,25%) estão no Rio Grande do Norte - estado que conseguiu aprovar 64,6% dos projetos inscritos nos dois leilões. A oferta de energia no RN chega a 1.989 MW - 32,86% do total habilitado. O Rio Grande do Sul, segundo colocado, responde por 24% do total de energia eólica ofertada.
A tendência, segundo Jean Paul Prates, ex-secretário estadual de Energia e atual presidente do Centro de Estratégias em  Recursos Naturais e Energia (Cerne), é que o RN seja, mais uma vez, líder em projetos vencedores. "Quem tem mais projetos habilitados, tem mais chance de vencer", justifica. Habilitar 75 dos 116 projetos inscritos nos dois leilões, segundo Prates, é reflexo do trabalho desenvolvido ao longo de vários anos no estado. "Significa que  empresas e o governo trabalharam bem".  A fase de habilitação é a etapa em que é feita a conferência de documentos jurídicos, institucionais e técnicos, como licenças, dos projetos inscritos

Segundo o secretário estadual de Desenvolvimento Econômico, Benito Gama, é necessário esperar o leilão para ver se a posição do RN como líder se consolida. "Leilão é leilão. Nunca se sabe o resultado", justificou. Para Prates, a liderança no número de projetos vencedores, se consolidada, aumenta a responsabilidade do Rio Grande do Norte. "Não dá para dormir sobre este berço esplêndido. O Estado tem que trabalhar muito". Segundo ele, a liderança do estado o torna um modelo para todo o país. "Se as ações implementadas no RN forem boas, elas serão copiadas pelos outros estados. Se forem ruins, serão criticadas. Tudo está sendo vigiado: logística, infraestrutura, impacto social nas comunidades".

FONTE:TRIBUNA DO NORTE

Nenhum comentário:

Postar um comentário